Câmeras ajudam a reduzir assaltos a ônibus em 31% em um ano no Recife

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Todos os dias, um milhão e 800 mil pessoas enfrentam ônibus lotados e longo tempo de espera nas paradas de ônibus na Região Metropolitana do Recife. Quando os ônibus não estão cheios, há outro problema: os assaltos. A tecnologia tem ajudado a polícia a identificar e a prender os bandidos e a diminuir o número de assaltos a ônibus.
De acordo com a Secretaria de Defesa Social, comparando o primeiro semestre deste ano com o do ano passado a redução foi de 31%. De janeiro a junho de 2008 foram registrados 295 assaltos a ônibus. No mesmo período desse ano o número caiu para 205. Um levantamento da Secretaria aponta que quase todos os 2.735 ônibus que circulam pela Região Metropolitana têm o equipamento.Segundo a polícia, os assaltos costumam acontecer em ônibus com poucos passageiros, depois das 21h, e em lugares menos movimentados.
Câmeras instaladas dentro dos ônibus estão ajudando a evitar assaltos e a prender bandidos que não se intimidam, mesmo com os equipamentos de segurança. Uma câmera instalada em um ônibus da linha UR-11/Boa Viagem registrou um assalto no dia 1º de junho deste ano. As imagens mostram quando dois homens entram no veículo. Um assaltante passa pela catraca e rouba os passageiros, enquanto o outro assalta o cobrador. A ação demorou dois minutos e um deles estava armado.



As câmeras normalmente ficam perto do motorista e flagram a movimentação dentro e fora dos veículos. As empresas ficam responsáveis pelo armazenamento das imagens. Em caso de assaltos, elas são enviadas para a Secretaria de Defesa Social.
“Nós pegamos essas imagens, encaminhados à gerência da Polícia Civil, que encaminha para o delegado responsável pela investigação”, explica o gerente geral do Centro Integrado de Operações de Defesa Social (Ciods), o coronel Sérgio Viana. “Isso tem contribuído parava prisão dos elementos que praticam assaltos aos ônibus”.
READ MORE - Câmeras ajudam a reduzir assaltos a ônibus em 31% em um ano no Recife

Pesquisa apresenta as tarifas de ônibus mais caras e mais baratas das capitais

Das 27 capitais brasileiras, apenas seis não reajustaram as tarifas de ônibus em 2009 – inclusive as duas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro. O Recife apresentou o último reajuste em janeiro deste ano, quando a passagem da tarifa A ficou em R$ 1,85 para a Região Metropolitana. O reajuste na capital pernambucana geralmente é anual, mas sem uma data estabelecida. A capital a aumentar o preço da passagem mais recentemente foi Natal (RN), no começo deste mês.Nesta semana, o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab, anunciou que a cidade terá um reajuste nas passagens no início de 2010. Atualmente, a tarifa é de R$ 2,30. “Infelizmente nossa realidade orçamentária não permite [manter a tarifa atual]”, disse Kassab na última segunda (14) em entrevista à rádio Bandeirantes. “Nós teremos aumento no mês de janeiro”, completou o prefeito. Segundo ele, ainda não há definição sobre o percentual de reajuste da passagem. São Paulo, que tem 6 milhões de usuários de ônibus por dia, não tem aumento na passagem de ônibus desde novembro de 2006. O Rio, com 4 milhões de passageiros diários, não registra reajuste desde dezembro de 2007, informaram as prefeituras. A capital que não reajusta o valor há mais tempo, desde julho de 2004, é São Luís (MA), que também tem a tarifa mais barata entre as demais capitais: R$ 1,60.

Veja na tabela abaixo qual é o preço das passagens de ônibus nas capitais, da mais cara para o mais barata:
  1. Florianópolis (SC) R$ 2,80
  2. Campo Grande (MS) R$ 2,50
  3. Belo Horizonte (BH) R$ 2,30
  4. Cuiabá (MT) R$ 2,30
  5. Porto Velho (RO) R$ 2,30
  6. Porto Alegre (RS) R$ 2,30
  7. São Paulo (SP) R$ 2,30
  8. Manaus (AM) R$ 2,25
  9. Salvador (BA) R$ 2,20
  10. Goiânia (GO) R$ 2,20
  11. Curitiba (PR) R$ 2,20
  12. Rio de Janeiro (RJ) R$ 2,20
  13. Maceió (AL) R$ 2,00
  14. Brasília (DF) R$ 2,00
  15. Natal (RN) R$ 2,00
  16. Boa Vista (RR) R$ 2,00
  17. Palmas (TO) R$ 2,00
  18. Macapá (AP) R$ 1,95
  19. Aracaju (SE) R$ 1,95
  20. Rio Branco (AC) R$ 1,90
  21. Vitória (ES) R$ 1,85
  22. Recife (PE)* R$ 1,85
  23. Fortaleza (CE) R$ 1,80
  24. João Pessoa (PB) R$ 1,80
  25. Teresina (PI) R$ 1,75
  26. Belém (PA) R$ 1,70
  27. São Luís (MA) R$ 1,60

READ MORE - Pesquisa apresenta as tarifas de ônibus mais caras e mais baratas das capitais

Em Santos Novo corredor de ônibus da Av. Ana Costa começa nesta segunda

Motoristas que trafegarem pela Avenida Ana Costa, em Santos, devem ficar atentos a partir desta segunda-feira, quando começa a vigorar a nova faixa para circulação exclusiva de ônibus no sentido Centro/praia.
A medida é válida somente de segunda a sexta-feira, das 17h às 20h, período em que fica proibido o estacionamento e a circulação de veículos na faixa da direita da via, reservada especialmente para ônibus e táxis transportando passageiros.
Operadores da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vão orientar os motoristas sobre o funcionamento do corredor. Neste primeiro momento, os condutores não serão autuados se cometerem infrações. A primeira faixa de ônibus foi acionada em 22 de junho na Av. Ana Costa, no sentido praia/Centro, das 6h às 9h.
Os semáforos da avenida foram reprogramados de forma a priorizar os veículos que trafegam pela Ana Costa, entre 17h e 20h.
Para não sobrecarregar o fluxo das ruas transversais, ficará proibido o estacionamento nas ruas Carvalho de Mendonça, Espírito Santo e Luiz de Faria (ambos os lados), a partir da quadra anterior à Ana Costa.
Também para facilitar o escoamento de veículos, o ponto de táxi existente nessa quadra da Carvalho de Mendonça ficará inoperante entre 17h e 20h. As unidades escolares instaladas ao longo da faixa de ônibus Centro/praia farão o desembarque dos alunos pelas vias laterais. E as vagas do Estacionamento Regulamentado do Gonzaga, demarcadas na avenida, funcionarão apenas até as 17h.
READ MORE - Em Santos Novo corredor de ônibus da Av. Ana Costa começa nesta segunda

São Paulo: O peso do transporte coletivo é muito maior para a família de baixa renda


Apesar de a cidade de São Paulo estar há três anos sem reajuste, a coordenadora do Índice de Custo de Vida (ICV) de São Paulo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese), Cornélia Nogueira Porto, diz que não há motivo para um reajuste.
"Entre janeiro de 2005 e agora, a inflação subiu 22,25%. Nesse mesmo período, a passagem de ônibus em São Paulo subiu 35,29%", afirma Cornélia. "Não é nenhum favor falar que vai reajustar só em janeiro de 2010, por que ainda tem muita gordura para queimar na passagem de ônibus", diz ela.
Apesar da declaração do prefeito sobre o aumento, a assessoria de imprensa da SPTrans, que gerencia o transporte urbano do município, disse que "não há previsão" para o próximo reajuste.
A diretora do Dieese explica que o aumento da passagem na capital paulista é especialmente prejudicial para as famílias mais pobres. "O peso do transporte coletivo é muito maior para a família de baixa renda. Famílias do extrato mais pobre gastam 7,59% de sua renda com o transporte coletivo. Famílias do extrato mais alto gastam 3,15%", conta Cornélia.
"As famílias de renda mais alta usam mais transporte individual. E o aumento dos custos com o transporte individual foi bem menor, ficou em torno de 11,74%", explica.
READ MORE - São Paulo: O peso do transporte coletivo é muito maior para a família de baixa renda

Tarifa de ônibus em Cuiabá é a 3ª mais cara do país


Das 27 capitais brasileiras, apenas seis não reajustaram as tarifas de ônibus em 2009 - inclusive, as duas maiores cidades do país, São Paulo e Rio de Janeiro. A capital a aumentar o preço da passagem mais recentemente foi Natal (RN), no começo deste mês. Cuiabá está entre as quatro capitais com a tarifa mais cara do sistema de transporte coletivo do Brasil: R$ 2,30, contra R$ 2,80 de Florianópolis (SC) e R$ 2,50 de Campo Grande (MS). Fica empatada com Belo Horizonte (MG), que também cobra R$ 2,30.
Nesta semana, o prefeito da capital paulista, Gilberto Kassab, anunciou que a cidade terá um reajuste nas passagens no início de 2010. Atualmente, a tarifa é de R$ 2,30.
"Infelizmente nossa realidade orçamentária não permite [manter a tarifa atual]", disse Kassab na última segunda (14) em entrevista à rádio Bandeirantes. "Nós teremos aumento no mês de janeiro", completou o prefeito. Segundo ele, ainda não há definição sobre o percentual de reajuste da passagem.
São Paulo, que tem 6 milhões de usuários de ônibus por dia, não tem aumento na passagem de ônibus desde novembro de 2006. O Rio, com 4 milhões de passageiros diários, não registra reajuste desde dezembro de 2007, informaram as prefeituras.
A capital que não reajusta o valor há mais tempo, desde julho de 2004, é São Luís (MA), que também tem a tarifa mais barata entre as demais capitais: R$ 1,60.
Segundo Marcos Pimentel Bicalho, superintendente da Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP), cada capital define quando reajusta a tarifa porque leva em consideração folha de pagamento da empresa de ônibus - os salários variam em cada cidade e os reajustes salariais também, explica ele -, combustível e manutenção.
Para o superintendente, comparar os preços das capitais não é adequado porque cada cidade tem um sistema de transporte público com características diferentes.
"Algumas cidades tem mais equilíbrio do sistema de ônibus. Em algumas é mais rentável, em outras menos. Cada situação deve ser vista de maneira específica", afirma Bicalho.
READ MORE - Tarifa de ônibus em Cuiabá é a 3ª mais cara do país

Em Sorocaba Urbes ainda não tem data para ônibus novos circularem

A Urbes Trânsito e Transportes ainda não tem data para que os ônibus das empresas que substituirão a Transporte Coletivo Sorocaba (TCS) comecem a rodar na cidade. No dia 7 de setembro, data em que a população esperava parte dos carros nas ruas, a Urbes informou que isso deveria ocorrer por volta do dia 20 (hoje), mas até agora nada dos veículos novos. Enquanto os usuários do transporte coletivo reclamam da demora na substituição dos ônibus da TCS, a empresa pública divulga que 64 dos 184 carros das quatro empresas que irão operar já estão na cidade e que alguns já estão liberados para entrar em circulação, mas não se arrisca a dar novo prazo.
READ MORE - Em Sorocaba Urbes ainda não tem data para ônibus novos circularem

Paulistano deixaria carro em casa se transporte público fosse mais eficiente, mostra pesquisa

O paulistano adquiriu mais carros em 2009, mas tem interesse em deixar o veículo em casa e passar a usar o transporte público. A conclusão é de uma pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo Movimento Nossa São Paulo. A pesquisa, chamada Mobilidade em São Paulo, foi realizada com o apoio do Ibope e sua divulgação antecede em quatro dias o Dia Mundial sem Carro, que ocorre na próxima terça-feira, dia 22.Segundo a pesquisa, 50% dos entrevistados (um total de 805 pessoas) afirmam ter um ou mais veículos em casa, número 13% maior do que o do ano passado. Desse total, 29% usam os veículos diariamente.
Apesar de ter crescido o número de paulistanos com carro, também cresceu o número de pessoas (78% do total de entrevistados) que afirmam que deixariam o carro em casa para utilizar o transporte público, caso houvesse uma boa alternativa de transporte.Cerca de 71% dos entrevistados também reclamaram do trânsito na cidade, considerando-o ruim (24% do total) ou péssimo (47%).
Segundo a pesquisa, o paulistano gasta, em média, 2 horas e 43 minutos para se deslocar pela cidade diariamente.
O trânsito, segundo a pesquisa, é uma das áreas mais problemáticas da cidade (38%), só perdendo para saúde (65%) e educação (41%), na opinião dos entrevistados. O problema com a segurança pública aparece em seguida, na opinião de 29% das pessoas que responderam à pesquisa.Cerca de dois terços dos entrevistados preferem que os investimentos públicos nos próximos anos sejam direcionados para o transporte coletivo.
A sugestões apontadas foram: construção e ampliação das linhas de metrô e trem (solução apontada por 61% das pessoas) e ampliação dos corredores de ônibus (45%).
READ MORE - Paulistano deixaria carro em casa se transporte público fosse mais eficiente, mostra pesquisa

22 de setembro, Dia Mundial sem Carro


Nossas cidades simplesmente não agüentam o aumento crescente de carros que circulam em nossas ruas e avenidas

No dia 22 de setembro, segunda-feira, Dia Mundial sem Carro, não andarei de carro. É claro que se trata de um gesto simbólico, mas será uma das formas que escolhi para prestigiar esse evento, que foi criado há vários anos e é promovido em inúmeros países para que a sociedade possa refletir sobre os enormes problemas causados nas cidades pela excessiva prioridade dada ao transporte individual. Nossas cidades simplesmente não agüentam o aumento crescente de carros que circulam em nossas ruas e avenidas. Somente em São Paulo, são 800 novos carros por dia, todos os dias!
Outro problema muitas vezes negligenciado nos debates sobre mobilidade é a enorme desigualdade social e econômica nas cidades, que obriga milhões de pessoas a se deslocarem por grandes distâncias para chegar ao local de trabalho e ter acesso a equipamentos e serviços públicos.
Vejamos o caso de São Paulo: as subprefeituras de Ermelino Matarazzo e M'Boi Mirim estão entre as que têm indicador zero de acervo de bibliotecas municipais infanto-juvenis per capita. E as subprefeituras de Perus, Parelheiros e Cidade Ademar estão entre as que registram indicador zero de leitos hospitalares.
Todas as cidades que estão de fato enfrentando os problemas da mobilidade estão reorganizando o espaço urbano e as políticas públicas para que as pessoas possam ter acesso a trabalho, serviços de saúde, estabelecimentos educacionais, cultura, lazer e serviços públicos em geral nas imediações de suas residências. O uso do transporte motorizado passa a ser opcional, e não obrigatório.
Não há outra saída, nem aqui, nem em nenhuma outra cidade do mundo, que não seja priorizar o transporte coletivo e o transporte não motorizado, facilitar a locomoção dos pedestres e de portadores de deficiências, incentivar o uso das bicicletas, cuidar da segurança das pessoas, reduzir a poluição do ar e a sonora e combater a desigualdade.
É o obvio, mas foi necessário criar um Dia Mundial sem Carro e, infelizmente, chegar ao caos na mobilidade para que sociedade e governos pudessem reconhecer erros passados e se debruçar sobre propostas e mudanças de rumo.
READ MORE - 22 de setembro, Dia Mundial sem Carro

Paulistano fica 2h43m por dia preso no trânsito

O paulistano passa 10% do dia preso no trânsito caótico da cidade. Cada morador da capital gasta, em média, 2h43m dentro de um carro ou nos ônibus e trens. Em relação ao ano passado, o tempo perdido aumentou em 13 minutos. Os dados fazem parte de uma pesquisa do Ibope, divulgada pelo Movimento Nossa São Paulo, em razão do Dia Mundial Sem Carro, que será comemorado na próxima terça-feira. Ao todo, 850 pessoas foram entrevistadas.
O levantamento mostra ainda que 71% dos paulistanos consideram a situação do trânsito na capital péssima ou ruim. Em 2008, o número era 70%. A maioria dos entrevistados (78%) até aceitaria deixar o carro em casa se houvesse uma boa alternativa de transporte público. O coordenador do Movimento Nossa São Paulo, o empresário Oded Grajew, disse que a pesquisa ajudará o governo a direcionar mais investimentos para o transporte público e alternativo, como ciclovias.
- A cidade chegou no limite do modelo que privilegia o transporte individual - afirmou o coordenador.
Ele diz que a limitação do espaço é uma das razões para que as ruas fiquem abarrotadas.
- O transporte individual tem limites físicos. E o transporte coletivo viabiliza o transporte para mais pessoas com muito menos espaço. Sem falar de outros problemas causados pelo excesso de veículos nas ruas, como a poluição. Hoje existe trânsito até para sair do estacionamento.
A pesquisa mostra que a população já é favorável a medidas drásticas para tentar resolver o problema a curto prazo. Entre elas está a adoção do pedágio urbano, ou seja, cobrar uma taxa para entrar e circular de carro no centro expandido de São Paulo. A medida é defendida por 26% dos entrevistados. Em 2007 este número era de 13%, e em 2008 era de 24. Aumentar o rodízio para duas vezes por semana já é aceito por 52%. Houve uma oscilação de dois pontos em relação ao estudo de 2008, quando 54 % dos paulistanos defendiam a ampliação.
O levantamento também avalia a situação dos transportes públicos. O paulistano dá nota 2 para a lotação nos ônibus e para o tempo de espera nos pontos.
READ MORE - Paulistano fica 2h43m por dia preso no trânsito

Roubos à ônibus em Aracaju caíram pela metade

Segundo os dados do Centro de Estatísticas e Análise Criminal (CEAC) e do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) esse tipo de crime teve uma redução de 50,21% no primeiro semestre de 2009.
A redução deste número demonstra a eficiência dos trabalhos desenvolvidos pela Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP), através das polícias Civil e Militar.
Em seis meses foram 354 ocorrências, em contraste com os 711 do mesmo período no ano passado.
Para a SSP, a diminuição dos registros está ligada diretamente ao combate ao tráfico de drogas em regiões onde eram registrados muitos assaltos. Um outro motivo é a prisão de vários assaltantes responsáveis pelos roubos.
READ MORE - Roubos à ônibus em Aracaju caíram pela metade

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960