Grande Recife lança VEM Trabalhador

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Dando continuidade a implantação do novo modelo de bilhetagem eletrônica, o Grande Recife Consórcio de Transporte anuncia, hoje, o detalhamento do início da operação do VEM Trabalhador, que irá substituir o Vale Transporte (nas versões eletrônica e papel). Atualmente, mais de 450 mil trabalhadores utilizam o vale transporte diariamente para seu deslocamento casa/trabalho. Dezoito mil empresas, públicas e privadas, estão cadastradas junto ao Grande Recife para a utilização do serviço. O VEM Trabalhador entra em funcionamento no início de junho.
O fim do vale papel é um reivindicação antiga dos empregadores. Apesar da fiscalização intensa, muitos usuários utilizam de forma errada o vale papel o que possibilitou a criação de um mercado paralelo, onde este tipo de produto é vendido para pessoas que não têm direito ao benefício, provocando prejuízos para as empresas. Assim como o VEM Estudante – cuja venda de créditos pela Internet será iniciada no próximo dia 01 de junho - o VEM Trabalhador oferecerá todo o conforto e segurança do carregamento embarcado (que possibilita a inserção dos créditos no cartão eletrônico dentro do próprio ônibus).
Atualmente cerca de 150 mil cartões são utilizados por funcionários da rede pública e 300 mil usuários/empregados utilizam o bilhete na rede privada. A implantação do serviço trará mais segurança devido ao fim do manuseio, movimentação e estocagem dos bilhetes por parte das empresas. Para os funcionários os benefícios serão ainda maiores, pois os mesmos não precisarão se deslocar até um ponto da rede credenciada para a recarga, ou ter que entregar o cartão e aguardar a recarga por parte da empresa.

Cerca de 300 mil estudantes que utilizam o bilhete serão diretamente beneficiados pelo no modelo. Além da modalidade embarcada, os estudantes contarão com a opção de continuar carregando os cartões no posto de atendimento da Praça Maciel

READ MORE - Grande Recife lança VEM Trabalhador

Shows de música nos terminais de ônibus de São Paulo


O projeto SPTrans Cultural, concebido em 2009 pela SPTrans, tem o objetivo de levar arte, cultura e entretenimento para público usuário de transporte público da cidade.
A primeira iniciativa do projeto é o programa Som Jovem, que promove a apresentação de grupos musicais de diferentes estilos, duas sextas-feiras (29/05 e 26/06), a partir das 18 horas. O primeiro show será nesta sexta-feira, dia 29 de maio, no Terminal Lapa, com a apresentação do grupo Duo Jazz Gui. No dia 26 de junho, será a vez do grupo Bula da Cumbuca que vai tocar samba de raiz no Terminal Mercado.
Trazendo grupos de rock, samba, jazz, sertanejo, rap, entre outros, o SPTrans Cultural também aproveita o espaço público para incentivar os novos artistas paulistanos. No início do ano foi aberto um edital de chamamento, para o qual foram recebidas 362 inscrições de artistas interessados. Desses, 243 foram selecionados. A escolha dos cantores e bandas foi feita por uma curadoria formada por músicos, DJS, produtores e jornalistas*.
Para a concretização dessa iniciativa, a SPTrans contou com o apoio da Secretaria Municipal de Participação e Parceria, por meio da Coordenadoria da Juventude
"Existe um número muito grande de artistas qualificados que não são conhecidos. É importante que eles tenham um espaço, que 'saiam da garagem' e proporcionem, através da música, divertimento para a população", afirma o coordenador da Coordenadoria da Juventude, Rafael Parra Castilho.
"É muito gratificante para nós, da SPTrans, poder contribuir para melhorar a qualidade do cotidiano dos milhões de passageiros que circulam de ônibus diariamente na cidade", declara Anna Flavia Vicentini, gerente de Marketing da SPTrans e responsável pelo SPTrans Cultural.
READ MORE - Shows de música nos terminais de ônibus de São Paulo

Curitiba: Estações tubo serão climatizadas


As estações-tubo do Inter 2 ficarão climatizadas após a conclusão das reformas que estão sendo feitas pela Prefeitura de Curitiba. Esta adequação faz parte das melhorias para receber os ônibus articulados Inter 2. Em todas as estações estão sendo colocadas plataformas de concreto em frente de cada parada. As mudanças também permitirão melhor vazão ao embarque e desembarque de passageiros. Por dia, o Inter 2 transporta 77 mil passageiros.Com as mudanças, a circulação natural do ar será favorecida dentro da estação, ficando mais agradável, seja em dias de calor ou de frio. As novas estações serão mais altas e em nível mais elevado do chão, permitindo a troca com o ar ambiente. Equipes trabalham na elevação das estações em pontos como as estações-tubo Agrárias, Praça das Nações e Teffé. Outra melhoria é a ampliação das estações-tubo. As novas estações ficarão em média com 11 metros de largura, contra os atuais sete metros. Com o aumento de mais de 50% na capacidade das estações, foi possível criar uma nova porta de embarque para os ônibus articulados. Também está sendo trocada a parte elétrica das estações, que ficarão mais modernas. O acesso às estações-tubo também será adaptado para pessoas com deficiência. Dentro do projeto de reforma, estão previstas calçadas antiderrapantes, que darão mais segurança aos passageiros.A Prefeitura reformará as estações-tubo Xaxim, Salgado Filho, Jardim das Américas, Colégio Militar, Praça das Nações, Agrárias, Centro Cívico, Assembléia, Tribunal de Justiça, Teffé, Praça das Bandeiras, Detran, Praça das Mercês, Santa Quitéria, Terminal Cabral, Terminal Capão da Imbuia e Terminal Hauer.Ônibus - Dos 70 ônibus que fazem a linha, 40 serão trocados por veículos articulados. Onze deles já foram substituídos. A principal diferença entre os dois tipos de veículo está na capacidade de transporte. Enquanto o ligeirinho padrão leva 110 passageiros, tem 12 metros de comprimento e duas portas de acesso, o articulado tem capacidade para 160 pessoas, três portas e 18 metros de comprimento (seis metros a mais que o ônibus normal). Por enquanto, o embarque e desembarque têm sido feitos apenas por duas portas, até que as estações sejam ampliadas.O ligeirinho Inter 2 é a principal linha direta do sistema de transporte de Curitiba, com uma média de 77.298 passageiros por dia útil. Os ônibus fazem um percurso circular de quase 38 quilômetros em cada viagem, passando por 12 bairros, no sentido horário e anti-horário. A ampliação da capacidade da linha faz parte do Programa de Transporte Urbano, da Prefeitura de Curitiba, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

READ MORE - Curitiba: Estações tubo serão climatizadas

Curitiba: Ciclovia beneficia estudantes e trabalhadores

Linha Verde
Trabalhadores e estudantes que usam bicicleta para chegar ao trabalho, ir à escola e voltar para casa aprovaram o traçado de ciclovias da Linha Verde, novo eixo de transporte na região sul de Curitiba. "Trabalho como entregador. Faço todo meu serviço numa bicicleta adaptada para carregar peso. Por isso é bem mais fácil pedalar em terreno limpo. A ciclovia da Linha Verde veio para facilitar minha vida. São trajetos livres, fáceis de circular e sem congestionamento. E ainda tem o fator segurança. Não tem o perigo de dividir o espaço com os automóveis", disse Rafael Galan, 19 anos, morador na Vila Fanny.A ciclovia faz parte do novo eixo de transporte construído pela Prefeitura na antiga BR116, que inclui também sistema viário e corredor de transporte coletivo. No último sábado, o prefeito Beto Richa fez a viagem inaugural do ônibus Pinheirinho - Carlos Gomes, que trafega pela canaleta da Linha Verde para ligar o Pinheirinho ao Centro. "Curitiba busca novas tecnologias que melhorem o transporte público e também preservem o meio ambiente", diz o prefeito Beto Richa. "Além dos benefícios nos dias de trabalho, nos fins de semana as ciclovias também poderão ser usadas pela família toda, como alternativa de lazer", afirma."Estou aproveitando minha folga e o dia de sol para conhecer a ciclovia. Já andei mais de oito quilômetros e não penso em ir para casa logo. Estou pedalando sem medo de ser atropelado, com facilidade de atravessar as ruas transversais e com um belo visual. Com certeza pedalar será um programa que farei com meus filhos nos fins de semana. A Linha Verde agora permite essa união com a família", afirmou o vendedor José Cláudio Martins, 50 anos, morador no Capão Raso."Uso a bicicleta para ir à escola, ao treino de futebol e casa de amigos. Com a ciclovia da Linha Verde ficou tudo mais fácil. Antes, a BR tinha um trânsito pesado. Agora, dá para circular com conforto e segurança. Tudo ficou mais fácil e o meu trajeto mais curto. Estou adorando", disse o estudante Gabriel Eduardo Simas, 14 anos, morador no Xaxim.O vendedor autônomo João José de Lima, 54 anos, elogia o traçado. "A Linha Verde diminuiu distâncias e trouxe conforto para quem usa a bicicleta. Tenho notado que a cada dia aumentam mais os ciclistas na região. Já não estou sozinho de manhãzinha, quando saio para trabalhar. O Xaxim mudou depois da Linha Verde", afirmou Lima.
READ MORE - Curitiba: Ciclovia beneficia estudantes e trabalhadores

Paralisação do transporte coletivo de Rio Branco


Empregados e patrões não chegam a acordo e paralisação entra na terceira semana

A greve de motoristas e cobradores de ônibus continua por tempo indeterminado, segundo informou o presidente do Sinttpac, Averaldo Azevedo. Usuários do transporte coletivo já sentem o impacto da paralisação que tirou das ruas 50% da frota de 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas. No horário de pico, antes das 8 e entre 12 e 14 horas a circulação dos ônibus é normal.
O estudante Adriano Cartaxo diz que a greve implica em atrasos diários no trabalho e na faculdade, mesmo com a medida de sair de casa mais cedo. A mesma situação é vivenciada por Fernanda Rodrigues. “Estou aqui esperando o ônibus há 40 minutos. Não tenho outra opção, eu pegava mototaxi, mas não dá mais é longe, sai caro”, conta ela que leva livros ou revistas para se distrair enquanto aguarda o coletivo. Para os passageiros resta esperar, evitar os horários de paralisação ou usar de transportes alternativos como táxi, mototáxi e até mesmo bicicleta.
Os trabalhadores em transporte coletivo reivindicam 5,83% de reajuste salarial, 13% de correção da inflação do período de um ano e o cumprimento de cláusulas da convenção coletiva. O Sindcol ofereceu aos trabalhadores na última sexta-feira o máximo de 5% de reajuste.
O Sindcol afirmou por meio de sua assessoria de imprensa que todos os empresários do consórcio estão em Rio Branco à espera da conclusão das negociações. Já o Sinttpac mantém a paralisação por tempo indeterminado mantendo a posição de que a greve não será suspensa até a resolução das exigências dos trabalhadores. O departamento jurídico do Sindcol verifica se o sindicato dos trabalhadores comunicou à Justiça a paralisação.
O sistema de transporte coletivo de Rio Branco , que opera por meio de consórcio de quatro empresas, mantém 154 carros circulando em 42 linhas com média de 50 mil usuários/dia.
READ MORE - Paralisação do transporte coletivo de Rio Branco

Maceió: Mesmo sem acordo, motoristas e cobradores retornam ao trabalho


A partir das 19 horas de hoje a população já poderá utilizar o transporte coletivo de Maceió. Motoristas e cobradores ligados ao Sindicato dos Transportadores Rodoviários (Sinttro/AL) decidiram retornar ao trabalho após assembléia realizada na tarde de hoje, em frente ao Sindicato, no Centro.
Cerca de 400 trabalhadores participaram da assembléia que decidiu pelo término da paralisação e retorno das atividades. O presidente do Sindicato, Divanildo Ramos, explica que ainda hoje, cerca de 30% dos profissionais já retornarão ao trabalho. “Os trabalhadores que participaram da assembléia só retornarão as atividades amanhã, mas os companheiros que estão na garagem já voltam hoje, a partir das 19 horas”, disse.
Após a assembléia, o presidente do Sindicato seguiu para o Tribunal Regional do Trabalho (TRT), cumprindo a intimação do desembargador federal presidente do TRT, João Leite, a fim de discutir a situação da greve dos ônibus.
Na ocasião, Divanildo irá apresentar as decisões da categoria, retiradas da assembléia. “Além dos 12% de reajuste salarial – do qual a categoria não abre mão – queremos garantir que os trabalhadores não sejam penalizados com o corte dos pontos. Estamos dando crédito ao TRT, porque acreditamos que podemos chegar a um acordo justo”, afirma.
Nova assembléia está marcada para a próxima sexta-feira, às 9h30, após resposta do TRT sobre as reivindicações da categoria. Os trabalhadores afirmam, que caso não haja acordo, na sexta-feira os ônibus estarão circulando gratuitamente, como forma de protestar e minimizar os transtornos causados à população.
Paralisação
A paralisação dos ônibus foi deflagrada na noite do último domingo, por volta das 22 horas, durante assembléia da categoria. Desde o início da manhã de segunda-feira a população vive o drama da falta de ônibus e os consequentes transtornos da paralisação.
No total, cerca de 100 mil usuários do transporte coletivo foram atingidos diariamente. Os trabalhadores pedem um reajuste de 12% no salário, contra a oferta de 1,5% da classe patronal.
READ MORE - Maceió: Mesmo sem acordo, motoristas e cobradores retornam ao trabalho

Joinville: Passe livre aos 60 é mantido

A manutenção da gratuidade foi divulgada ontem, depois de reunião entre os representantes das empresas e do Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville (Ippuj). Segundo o presidente do Ippuj, Luiz Alberto de Souza, não houve intervenção do prefeito Carlito Merss, que está viajando.O passe livre para pessoas com idades entre 60 e 64 anos foi estabelecido por decreto do prefeito e passou a valer no dia 15 de maio.De acordo com Souza, ficou claro para a Prefeitura que a ação contra a gratuidade não foi movida pela Gidion e pela Transtusa, mas pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros no Estado de SC (Setpesc). O advogado responsável pela ação, Elias Sombrio, confirmou que a liminar foi de iniciativa da entidade.O principal ponto de negociação foi o recente reajuste no preço das passagens, que começou a valer dia 18 de maio. O prefeito levou em conta a gratuidade para os maiores de 60 anos para arredondar o valor do reajuste de R$ 2,27 para R$ 2,30. “As empresas já haviam concordado com o passe livre e sabiam que no reajuste já estava previsto este ponto (passe livre)”, argumentou Souza.Os empresários chegaram, durante a reunião, a solicitar uma avaliação do modelo. Uma das opções seria manter a gratuidade só em horários de pouca movimentação de passageiros. Mas o presidente do Ippuj garantiu que nada vai mudar. “Vamos esperar a manifestação final da Justiça. A gratuidade continua exatamente da forma como está”, assegurou.A Prefeitura, mesmo sem ter sido intimada ainda, vai recorrer da liminar. O advogado da Setpesc afirmou que, caso as empresas solicitem formalmente, ele também pode pedir a retirada da ação judicial. “Se a Gidion e a Transtusa pedirem, podemos retirar.”
READ MORE - Joinville: Passe livre aos 60 é mantido

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960