Curitiba: Campanha no combate ao Vandalismo

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009


Bom humor e Los Três Inimigos combatem vandalismo nos ônibus


Uma bem humorada campanha de combate ao vandalismo está chegando aos ônibus e estações-tubo de Curitiba. Cartazes, folhetos e camisetas ilustradas com Los Três Inimigos, personagens do cartunista Tiago Recchia, começam a fazer parte do cotidiano do transporte coletivo. Los Três Inimigos são torcedores dos três principais times de futebol da cidade — Atlético, Paraná e Coritiba — e ilustram as páginas esportivas do jornal Gazeta do Povo, com comentários sobre futebol.

Nos ônibus e estações-tubo, os comentários mudam o enfoque, mas não perdem o humor. "Campeón não quebra ônibus", diz um dos personagens ao que os outros completam: "Coisa de perdedor", "de Timinho". Outro cartaz mostra os três torcedores preocupados: "El golero leva frango y lo buzón paga lo pato?".

Os cartazes de Los Três Inimigos começaram a ser colocados nos ônibus nesta semana e, logo após o carnaval, a ação ganhará um reforço nos terminais: equipes de voluntários da Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) e do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana de Curitiba (Setransp) vão percorrer os terminais, uniformizados com camisetas da campanha para distribuir folhetos e incentivar as pessoas a denunciar o vandalismo, ajudando a preservar equipamentos e reduzir o custo de reposição e conserto.

A campanha é uma parceria do Setransp e Urbs, com apoio do jornal Gazeta do Povo. Cartazes e folhetos pedem ao cidadão que denuncie o vandalismo ligando para o telefone 153 ao ver alguém depredando patrimônio público, riscando vidros dos ônibus, destruindo pontos de parada e estações-tubo, pichando e quebrando bancos dos ônibus e promovendo atos de violência.

READ MORE - Curitiba: Campanha no combate ao Vandalismo

Bélem: Ônibus x usuários: caos no trânsito de Belém

Quem depende do transporte coletivo na Região Metropolitana de Belém (RMB) encontra uma série de dificuldades diárias que já se arrastam há décadas.Durante três dias, o DIÁRIO entrevistou usuários, técnicos e trabalhadores sobre a situação dos ônibus em Belém. Nossa equipe constatou que a insatisfação com o sistema de transporte coletivo é sentida por grande parte da população.As reclamações começam antes mesmo de entrar nos coletivos. “Temos que ficar no meio da rua fazendo sinal para que o motorista nos veja. Mesmo assim, ainda tem muitos motoristas que nos ignoram e queimam as paradas”, disse a doméstica Suely Costa, justificando porque é tão comum ver usuários no meio das ruas para tentar chamar atenção dos coletivos.Os motoristas, por outro lado, alegam que a culpa não é deles, e sim da Companhia de Transportes do Município de Belém (CTBel), uma vez que é ela que estipula prazos de saídas e chegadas. “Temos que cumprir um horário muito apertado. E do jeito que o trânsito está hoje em Belém, não tem como evitar os atrasos. Então às vezes temos que queimar paradas para não atrasarmos o roteiro”, explica o motorista Laurindo Melo.Délcio Farias, assessor técnico do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belém - SetransBel, concorda com o rodoviário. Segundo ele, há mais de duas décadas a CTBel não faz uma revisão nos horários que os rodoviários têm que cumprir. “O motorista que faz a linha Marituba Ver-o- Peso tem o mesmo tempo de outro que faz um percurso bem menor. A cidade cresceu, não é como era há 20 anos. A CTBel precisa reorganizar essa planilha de horários”, avalia Farias. >> População reclama também de paradas sem abrigo e da sujeiraPara os usuários dos coletivos em Belém, além das queimas de paradas, outros problemas demonstram descaso dos órgãos competentes. “É uma humilhação ter que ficar horas esperando o ônibus sem nenhum conforto. Temos que encarar a chuva, o sol, além dos problemas de todos os dias”, disse Nazaré Silva. Ela e muitos outros usuários citam a falta de pontos cobertos como um dos problemas da cidade. Sobre essa questão, o diretor de transportes da CTBel, Walter Campos, confirma que, dos 1.500 pontos de paradas de ônibus existentes na RMB, apenas um terço dispõe de abrigo e oferecem melhores condições de conforto. “A prefeitura tem um projeto de revitalização nos abrigos de ônibus, o que já acontece desde 2007. Aproximadamente 500 paradas já foram reestruturadas e a meta é continuar e construir novos abrigos para a população”, garantiu Campos.Os passageiros dizem que dentro dos coletivos a situação também não é nada agradável. “A passagem aumentou e a sujeira nos ônibus também. Além disso, ainda temos que respirar a fumaça poluída que eles soltam”, reclama a dona-de-casa Dilza Cunha.

READ MORE - Bélem: Ônibus x usuários: caos no trânsito de Belém

Porto Alegre: 2ª Passagem com 50% de desconto


O Tri é o sistema de bilhetagem eletrônica de Porto Alegre que consiste na arrecadação automática da passagem de ônibus, de forma que as carteiras de identificação e as fichas serão substituídas por cartões com créditos eletrônicos. Isso possibilita que a cidade tenha um sistema mais evoluído de transporte público coletivo, como é utilizado em outros grandes centros do Brasil e do mundo. O sistema de bilhetagem eletrônica também tem como objetivo integrar itinerários e beneficiar usuários com descontos na tarifa para usuários de mais de uma linha para um mesmo trajeto, a chamada Passagem Integrada (o usuário paga a primeira passagem inteira e a segunda com 50% de desconto).
READ MORE - Porto Alegre: 2ª Passagem com 50% de desconto

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960